Tratamento para Dependentes Químicos

clinica de reabilitação na zona oeste

clinica de reabilitação na zona oeste

O uso de drogas pode ser determinado por expectativas e crenças adquiridas explica os profissionais da clinica de reabilitação na zona oeste  sobre as drogas como um antídoto ao estresse e ansiedade. Assim sendo, o sujeito acaba usando as drogas como um recurso para obter um alívio Tal uso pode ser descrito como um refúgio, onde há a possibilidade de se esconder dos problemas existentes e ainda possibilitar uma fonte de prazer. Esse meio encontrado pelos indivíduos, para aliviar sua ansiedade, acaba causando a dependência de acordo com os especialistas da clinica de reabilitação na zona oeste “a questão das drogas implica problemas sociais, econômicos, culturais, familiares, e de segurança pública .Surge, então, a necessidade de tratamento.

As mudanças que ocorrem na vida do sujeito que se torna dependente alerta os especialistas da clinica de reabilitação na zona oeste, vão sendo progressivas, na medida em que ele torna o uso da substância o papel central na sua vida, e as demais áreas vai ficando prejudicadas. Sendo assim, não há como deixar passar despercebida a situação em que os sujeitos com dependência química se encontram, pois existe grande sofrimento psíquico. Entende-se que, os profissionais da saúde e da psicologia podem trabalhar com os indivíduos, de modo mais humanizado possível, contribuindo para minimizar esse sofrimento. “Dependência de drogas, é o mesmo que vício é um estado de subordinação, que tanto prejudica o usuário como seu ambiente familiar e social.

O tema ressalta os profissionais da clinica de reabilitação na zona oeste é  de suma importância, pois ele propiciará conhecimentos de novos modos de interagir, enxergar e acreditar na recuperação de dependentes químicos. Podem ser desvendados alguns meios de como auxiliá-los no período de desintoxicação e de como ajudá-los a construírem uma ressignificação, enquanto sujeitos, pois “as doenças interferem diretamente nos projetos existenciais das pessoas, exigindo uma ressignificação de suas vidas.

Alguns passos devem ser seguidos e levado em conta explica a equipe da clinica de reabilitação na zona oeste no tratamento com dependentes de substâncias psicoativas. Trazem alguns bastante relevantes: primeiro, o dependente precisa de aceitação; segundo, os profissionais têm que acreditar que as tentativas podem de fato ajudar o sujeito e, por mais que ele já tenha tido repetidas falhas, o tratamento pode funcionar desta vez; terceiro, deve ser dado continuidade ao tratamento em grupos de auto- ajuda; em quarto lugar, a família deve ser incluída no processo terapêutico. É necessário exista uma relação de confiança do sujeito e do profissional, para que o trabalho tenha sucesso no seu final. “A percepção dos pacientes sobre seu contato com o terapeuta como relação de ajuda foi associada a uma melhor adesão” Nesse sentido, destaca-se a importância da psicologia, para auxiliar e dar suporte as pessoas que sofrem com sua dependência.

Com o tratamento na clinica de reabilitação na zona oeste dependente terá condições de  sair do lugar onde estava, de sofrimento e da sua paralisia perante sua condição de dependente químico, e ir para um lugar onde ele é o protagonista de sua história, ressignificando suas percepções, suas ações e sua vida. Objetivando uma melhor qualidade de vida, “os dependentes na clinica de reabilitação na zona oeste terão a  prevenção e o tratamento dos transtornos relacionados ao uso de substâncias psicotrópicas, como a ansiedade, a impulsividade, entre outros”

 Os profissionais que atuam na clinica de reabilitação na zona oeste  explicam as reações causadas pela droga, tanto física como psíquicas, retratam que os usuários de drogas tem efeitos psíquicos bastante intensos, como sensação de euforia, aumento de auto confiança, abolição da fome, sensação de cansaço, e com o aumento da substância no organismo, os efeitos também vão se agravando, surgindo a irritabilidade, ideação delirante, podendo aparecer alucinações auditivas, táteis, entre outros.

Com relação ao sentimento que se instaura nos dependentes químicos, há uma tristeza profunda, somada a sentimento de incapacidade e impotência perante a vida revelaram  que   os sintomas de depressão são intensos   em  dependentes, principalmente em dependentes de crack. Após o prazer proporcionado pelo uso da substância, surgem os sentimentos de perda, fracasso e tristeza profunda.

O primeiro passo é processo de desintoxicação na clinica de reabilitação na zona oeste  que se dá no tratamento da dependência química. De acordo  com os profissionais  da clinica de reabilitação na zona oeste o processo dura de 03 a 12 dias. “Entende-se que a eliminação e/ou diminuição no uso de uma substância psicoativa é um importante objetivo dentro de um tratamento”
A família é o primeiro grupo ao qual o sujeito pertence. Ressalta os profissionais da clinica de reabilitação na zona oeste  neste grupo se desenvolvem as relações de confiança, afeto, proteção, comunicação e desencadeiam-se os demais comportamentos necessários para o convívio que o sujeito vai criar no decorrer da vida. Sendo

Assim, “a família é muito importante no tratamento e pode ser fundamental para a recuperação dos dependentes químicos, uma vez que eles se sujeitam a internação e ao tratamento visando um bom relacionamento familiar” Em muitos casos, “o tempo longe de casa, durante a internação, paradoxalmente, aproxima-os dos familiares

A influência da família, e também da sociedade, na dependência de álcool e outras drogas, começa a ser discutida a partir de 1950 (MARQUES; SILVA, 2000). O dependente químico acaba fazendo com que toda a família adoeça junto com ele, por isso é necessário que esta se trate e receba orientações, para saber como lidar com essa doença, que não tem cura e sim controle, aprendendo sobre a dependência e os

Deve haver uma atenção especial, e um olhar voltado para essa família, pois ela pode adoecer, devido a uma preocupação excessiva em relação ao dependente químico. Assim, pode haver um quadro de codependência dessa família para com esse sujeito.

“a família é um fator relevante como motivação para o tratamento e como influência para os usuários a tomarem a decisão de se tratar. Mas do mesmo modo como em muitos casos a família é a base para iniciar uma recuperação, em outras, ela acaba sendo o estopim para uma iniciação ao mundo das drogas, ou para uma recaída. “Em todos os casos de uso de drogas, a família é um fator preponderante como proteção ao uso de drogas tanto na prevenção ao início do consumo quanto ao fortalecimento da prevenção da recaída.

O que é Dependência Emocional ou Codependência?

Codependência, Dependência Emocional ou Dependência Afetiva, é a inabilidade de manter e nutrir relacionamentos saudáveis com os outros e consigo mesmo, resultando em Relacionamentos Difíceis, Desgastados ou Destrutivos. Aqui você saberá quais são os principais sintomas, se você vive este problema e como tratar este transtorno que pode ser grave e gerar sérios prejuízos à saúde e a todas as áreas da vida.

Alguns Sintomas:

  • Cuidados excessivos com o outro- preocupação constante, necessidade compulsiva de ajudar o outro, antecipando as necessidades dele, assumindo responsabilidades por ele e deixando o próprio cuidado de lado;
  • Baixa autoestima– culpa-se por tudo, autoexigência e autocrítica exagerada, sente-se envergonhado e inferior aos outros, contenta-se com muito pouco, com “migalhas de amor”;
  • Repressão das emoções– reprime seus sentimentos e vontades, de tal modo que, com o tempo, perde o contato;
  • Controle compulsivo– necessidade de ter sempre o controle de si mesmo, das situações, do relacionamento, do outro, tentando mudá-lo;
  • Ciúme doentio– enorme insegurança, pensamentos constantes de ruminação pelo medo de ser traído ou de ser abandonado, comportamentos e discussões na tentativa de controlar os comportamentos do outro;
  • Negação– mente para si mesmo, finge que os problemas não existem ou não são graves, não enxerga e enfrenta os problemas que estão acontecendo na relação, pensa que um dia tudo vai melhorar “do nada”;
  • Vive oscilando entre o céu e o inferno- oscila entre gostar e sentir-se magoado e com raiva do outro, ou seja, ora se sente bem na relação e ora se torna vítima e age como o algoz, cobrando posturas de forma pesada e agredindo o outro;
  • Acredita que depende do outro– procura desesperadamente amor e proteção fora de si mesmo, não consegue ficar só, sente-se ameaçado pela perda do outro, sente que necessita do outro pra ser feliz;
  • Comunicação disfuncional– não expressa abertamente seus sentimentos e pensamentos, a comunicação não é honesta e franca; não consegue ter bons diálogos e discutir objetivamente os problemas; iniciativas de diálogo se tornam discussões áridas.
  • Dificuldades sexuais- usa o sexo para conquistar, segurar e ganhar a aprovação do outro; tenta manipular e controlar o outro através do sexo; fazem sexo quando não querem; com pouco ou nenhum prazer, etc.
  • Envolvimento com pessoas complicadas- escolhe parceiros indisponíveis, indecisos, de classe socioeconômica inferior, agressivos, distantes, que sugam e pouco doam, irresponsáveis, mal-caráter, que também apresentam transtornos psicológicos como dependências (de álcool, de outras drogas, de jogos, etc.). Por isto, tem decepção amorosa, sofre muito por amor, experimentando uma vida amorosa insatisfatória.

Estes sintomas e outros contribuem para Padrões de Relacionamentos Destrutivos.

Origem

O termo Codependência teve origem nos estudos com a Dependência química e foi atribuído aos familiares, partindo do princípio de que os familiares de dependentes químicos também apresentariam uma dependência, não das drogas, mas Dependência Emocional ou uma preocupação constante e fixa no dependente. Posteriormente, tornou-se claro que não é necessário conviver com um dependente químico para sofrer de Dependência emocional.

Causas da Codependência

A maior parte dos codependentes vem de famílias disfuncionais, conflitivas, que demonstraram significativa fragilidade emocional e, por isto, contribuíram para o desenvolvimento e instalação da dependência emocional entre seus membros. Em geral, o codependente viveu pouco amor, amparo, aceitação, segurança, coerência e harmonia familiar. Em muitos casos, houve rigidez de regras e críticas excessivas, abusos, violência psicológica e até física. Portanto, de modo geral, a pessoa desenvolve a Codependência a partir da infância.

Pesquisas

Os resultados de uma pesquisa recente realizada no Brasil, pela Unifesp mostram que, em média, 9 pessoas são afetadas pelo impacto de um dependente químico e estima-se que pelo menos 28 milhões de pessoas vivam hoje no Brasil com um dependente químico. A pesquisa aponta também que, além da resistência do dependente químico em aceitar o tratamento (52% dos casos), o comportamento/atitude da família (11%) é a segunda maior dificuldade encontrada no tratamento. Convivendo com sentimentos opressores como tristeza (28%), impotência (26%), dor, angústia, raiva, desespero, culpa, pena, decepção, solidão e medo. Este impacto corresponde aos vividos por familiares de doentes terminais.

Solicitamos a gentileza de, ao publicar este artigo, citar a fonte:
Autora: Dra. Elizabeth Zamerul Ally, médica psiquiatra, psicoterapeuta, especialista em Dependência Química e Codependência www.dependenciaecodependencia.com.br

clinica de reabilitação na zona oeste

Atendimento 24hs

(11) 4175-0727

(11) 96474-1518 (Vivo/Whatsapp)