Tratamento para Dependentes Químicos

Clínica de reabilitação para dependentes químicos

Clínica de reabilitação para dependentes químicos

A Clínica de reabilitação para dependentes químicos juntamente com sua equipe de profissionais tem a consciência que o individuo que está viciado em drogas acaba por sofrer problemas em praticamente todas as esferas de sua vida: afasta-se dos amigos e da família, sofre os problemas decorrentes do uso da droga. Pode ter problemas legais (por exemplo: prisão por roubo ou por porte de drogas), não consegue manter seu emprego.

Além disso, é comprovado em alguns estudos que indivíduos dependentes de drogas que procuram tratamento têm ao longo do tempo menos complicações do que aqueles que não procuram.

Os profissionais que atuam na Clínica de reabilitação para dependentes químicos sabem que o tratamento da dependência de droga é o conjunto de medidas tomadas pelo médico e por sua equipe, no sentido de ajudar o dependente a ficar e a se manter abstinente da droga. O tratamento depende da motivação do indivíduo para se tratar, da colaboração da família e da equipe que vai atendê-lo.

Para que um tratamento tenha a eficácia esperada os especialistas da Clínica de reabilitação para dependentes químicos  enfatizam que o processo desintoxicação é o primeiro passo a ser feito, para isso o individuo deve ficar afastado  de qualquer tipo de droga sendo ela ilícita ou licita por pelo menos uma semana , isso se dá através do afastamento do meio ao qual o viciado estava acostumado , como por exemplo não tendo nenhum tipo de contado nem com as drogas ou com qualquer pessoa que faça o uso da substância .

Os profissionais da Clínica de reabilitação para dependentes químicos  alertam para importância de se manter atividades estar com a mente ocupada para não ter tempo ocioso e assim não pensar em drogas.

As complicações também devem ser tratadas como as doenças adquiriras pelo o uso das drogas , como convulsões , alucinações e não conseguir dormir essas são algumas das sequelas que o uso respectivos da droga traz ao o usuário.

A Clínica de reabilitação para dependentes químicos  trabalha com uma abordagem multidisciplinar pois sabe que a união de varias áreas irá auxiliar melhor a reabilitação do paciente , pois o médico, sozinho, pouco pode fazer pelo dependente de cocaína, devendo então contar com uma equipe multidisciplinar, tentando assim abordar o indivíduo dependente e seu problema da forma mais completa possível. Na Clínica de reabilitação para dependentes químicos a equipe é composta, além do próprio médico, por enfermeiro, psicólogo, terapeuta ocupacional, terapeuta familiar, etc.

O enfermeiro pode motivar o indivíduo a manter o tratamento, o psicólogo pode abordar problemas de sua vida (muitos deles decorrentes da droga), o terapeuta ocupacional pode ajudá-lo a planejar suas atividades, o terapeuta familiar pode abordar problemas familiares decorrentes da droga. Há em cada uma dessas áreas, uma série de técnicas que pode ser aplicada por esses profissionais, no sentido de o tratamento funcionar da melhor maneira possível.

O médico coordenará o funcionamento da equipe multidisciplinar, além de tratar as complicações decorrentes do uso da cocaína, estipular o contrato e orientar o dependente e a família.

A Reabilitação é o resultado de todos os esforços combinados, em que o indivíduo dependente de cocaína passa a conduzir sua vida de outra forma, e a cocaína não mais participa.

Concluindo, a equipe multidisciplinar é importante no tratamento, que é difícil (mas não impossível!). Tudo dependerá, em essência, do indivíduo dependente de droga e de sua motivação para se tratar.

Os profissionais da Clínica de reabilitação para dependentes químicos lembram que a dependência química é uma doença crônica e multifatorial, isso significa que diversos fatores contribuem para o seu desenvolvimento, incluindo a quantidade e freqüência de uso da substância, a condição de saúde do indivíduo e fatores genéticos, psicossociais e ambientais.

Para uma maior informação os especialistas da Clínica de reabilitação para dependentes químicos explicam os sintomas da dependência química Desejo incontrolável de usar a substância

Perda de controle (não conseguir parar depois de ter começado)

  • Aumento da tolerância (necessidade de doses maiores para atingir o mesmo efeito obtido com doses anteriormente inferiores ou efeito cada vez menor com uma mesma dose da substância).

O tipo de ajuda para o dependente químico diz os profissionais da Clínica de reabilitação para dependentes químicos pode variar pois cada dependente tem suas características pessoais, da quantidade e padrão de uso de substâncias e se já apresenta problemas de ordem emocional, física ou interpessoal decorrentes desse uso.

A avaliação do paciente pode envolver diversos profissionais da saúde, como médicos clínicos e psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais, educadores físicos, assistentes sociais e enfermeiros. Quando diagnosticada, a dependência química deve contar com acompanhamento a médio-longo prazo para assegurar o sucesso do tratamento, que varia de acordo com a progressão e gravidade da doença.

Na Clínica de reabilitação para dependentes químicos o tratamento ocupacional é um dos pontos positivos, pois os pacientes irão produzir seus alimentos, ao mesmo tempo em que têm uma ocupação, As atividades complementares como a horta terapêutica fazem parte das abordagens do programa de terapia ocupacional da unidade, que visa resgatar a autonomia da pessoa, desenvolver suas potencialidades e ampliar suas possibilidades de reabilitação.

A terapia em grupo também é uma das formas de auxiliar o dependente  os grupos de ajuda mútua reúnem homens e mulheres para trocar experiências (boas e ruins) em relação à dependência. Os encontros são gratuitos e freqüentes (normalmente, semanais), e possibilitam que os participantes discutam seus receios, suas expectativas e suas frustrações.

Os Alcoólicos Anônimos (AA) e os Narcóticos Anônimos (NA) promovem um clima amistoso e amenizam constrangimentos, já que todos ali presentes possuem histórico de dependência. Mesmo após a recuperação total, freqüentar esses grupos pode ser de grande ajuda para a manutenção da sobriedade e para evitar recaídas. O tratamento ambulatorial é abordagem que permite que o dependente faça o tratamento por meio de medicações quando necessário e seja acompanhado por uma equipe multidisciplinar em um ambulatório especializado.

Os profissionais da Clínica de reabilitação para dependentes químicos enfatizam que Independentemente do tratamento eleito, é importante ressaltar que nenhuma abordagem será totalmente eficaz se o paciente não for amparado por uma equipe especializada e multidisciplinar. Isso porque, muitas vezes, os dependentes químicos apresentam outros problemas para além do abuso de drogas, como a depressão.

Fonte G1: Normalmente, quem está com um problema de saúde procura um tratamento. Mas quando a pessoa não tem condições de tomar essa decisão, é correto que alguém decida por ela? A equipe de reportagem da TV TEM acompanhou algumas dessas histórias sobre o crack na região de Sorocaba (SP).

De acordo com os especialistas, a internação involuntária é necessária em alguns casos e tem ajudado na recuperação dos dependentes químicos. Segundo alguns ex-usuários, o caminho para não usar mais drogas está, muitas vezes, em ajudar os outros usuários a também superarem o vício.

Para Sandro Sposito, coordenador do departamento de neurologia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Sorocaba, a internação compulsória é um mal necessário. “Como a droga causa uma dependência profunda, que o indivíduo perde realmente a crítica e a capacidade de imaginar outras possibilidades, outras alternativas, e a busca é tão ativa por isso, a dependência química é tão forte que não é uma dependência só psicológica, não é isto.

É uma coisa mais séria, é uma dependência química, uma alteração química que aconteceu no seu cérebro. E uma alteração química que demora, que vai levar um tempo para se reestabelecer ao normal.

Ninguém chega na clínica e consegue apenas por meio de orientação, de conversas, apagar aquilo como se fosse uma escrita a lápis e você passa uma borracha. Aquilo vai demorar”, ressalta.

Segundo Maria Clara Schnaidman Suarez, presidente do Conselho Municipal sobre Drogas, a internação involuntária é válida nos casos em que o indivíduo está colocando em risco a sua vida ou a vida de alguém. “Quando ele perdeu o discernimento do que ele está fazendo, seja para ele ou para os outros, e ele não tem condições de decidir por ele mesmo. Mas o sucesso de uma internação, de um tratamento, só vai ser alcançado quando esse tratamento se tornar voluntário pelo paciente”, destaca.

Ou seja, o paciente com o passar dos dias em uma clínica de recuperação vai se desintoxicando, voltando a consciência da realidade e sendo assim acaba por aceitar o restante do tratamento completo por livre e espontânea vontade, esse período de aceitação varia de individuo para individuo, podendo varias de um a cinco meses.

Na publicação Principles of Drug Addiction Treatment: A Research-Based Guide (Princípios do Tratamento do Vício em Drogas: Um Guia Baseado em Pesquisa), o instituto apresenta quais são os princípios de um tratamento eficaz. O texto diz “o tratamento não precisa ser voluntária para ser eficaz. Sanções ou incentivos impostos pela família, ambiente de trabalho ou pelo sistema judicial podem aumentar significativamente a taxa de internação e de permanência – e finalmente o sucesso das intervenções de tratamento”.

Codependência Descubra se você precisa de ajuda

Codependência é um termo usado por profissionais, que pode confundir ou contrariar a mensagem de recuperação do Nar-Anon. Portanto, esse e outros termos, são evitados em nossas reuniões regulares, porque tendem a enfocar o dependente químico.

O Nar-Anon colabora com profissionais e organizações de fora, mas não é afiliado a determinadas pessoas ou terapias específicas. Mantém a sua autonomia e não pode se desviar do seu propósito primordial.

Um Grupo de Nar-Anon não pode resolver todos os problemas pessoais de seus membros. Ao invés de tentar resolver os problemas de todo mundo, sugere a quem precisa de ajuda, o encaminhamento a fontes apropriadas.

A doença da família

A adicção (dependência química) é a doença do adicto (dependente químico), provocada pelo uso de drogas. Entendemos que se trata de uma doença reflexiva, porque afeta a estrutura familiar e os relacionamentos desse núcleo básico da sociedade. A insanidade decorrente dessa situação pode trazer consequências desastrosas.

O familiar necessita de ajuda para escapar da imobilidade decorrente de lutas e fugas frustradas. A família, fora de ritmo, reluta ou não sabe como promover o desligamento requerido, permanecendo indefesa. Ausente, deixa de estabelecer limites, confundindo-os com repressão.

Nossa experiência revela que o uso compulsivo de drogas não indica falta de afeto pela família. Não é uma questão de amor, mas de doença. O dependente químico perdeu a capacidade de opção em matéria de drogas. Mesmo quando sabe o que acontece, quando toma o primeiro teco, ele a usará.

Familiares, parentes, amigos, empregadores, colegas tentam controlar o adicto. Sentem-se culpadas e com medo. Tornam-se doentes emocionalmente.

Uma pessoa pode tornar-se adicta através de medicamentos ou de drogas de rua. O resultado é o mesmo. Alguns podem atuar razoavelmente bem em seus empregos, enquanto a família, amigos e companheiros de trabalho os encobrirem. Porém, a adicção afetará toda ou parte de suas vidas social, familiar ou econômica. Mesmo quando o usuário tenta passar sem drogas, a síndrome de abstinência é tão dolorosa que ele volta às drogas para aliviar a dor.

Clínica de reabilitação para dependentes químicos

Atendimento 24hs

(11) 4175-0727

(11) 96474-1518 (Vivo/Whatsapp)