Tratamento para Dependentes Químicos

clínica de recuperação para alcoólatras na zona norte

clínica de recuperação para alcoólatras na zona norte

Os especialistas que atuam na clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte explica que o efeito relaxante das doses iniciais, porém, desaparece com o aumento do consumo. Se o convívio com uma pessoa embriagada incomoda, isso não é nada diante dos males que o álcool pode causar e que não se restringem às doenças do fígado. A labilidade emocional que num instante transforma o alcoolista risonho num indivíduo violento é responsável não só pelo aumento da criminalidade, mas também pela desestruturação de muitas famílias.

O alcoolismo explica os profissionais que atuam na clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte é uma doença em que há dependência do uso de álcool. O alcoólatra tem grande dificuldade de parar de beber, está sujeito aos mesmos riscos do abuso de álcool, mas, como não consegue abandonar a bebida, apresenta, muitas vezes, uma deterioração na saúde, na família, no trabalho e no círculo de amizades.

O alcoolismo é um problema de saúde complexo e, segundo especialistas, o tratamento deve ser eclético. Isso significa que os cuidados com o alcoolista devem vir de diferentes áreas, como, a psicologia, a psiquiatria, a enfermagem entre outras, para conquistar a recuperação de maneira plena. Pensando nessa premissa a clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte, traz em seu quadro de profissionais uma equipe de profissionais altamente qualificados, que já atuam na área a mais de dez anos sabendo trabalhar cada ponto necessário para livrar o individuo do vicio.

Antes de se iniciar o tratamento na clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte da dependência química do álcool é indispensável fazer uma avaliação clínica apurada para avaliar qual o tipo de tratamento adequado para cada caso. A população de dependentes de álcool é bastante heterogênea. Um alcoólico só é igual ao outro se olhado à distância. O sofrimento é sempre diferente.

Logo de cara, os profissionais da clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte irão avaliar se além da dependência química existe uma co-morbidade psiquiátrica, principalmente depressão e ansiedade. A associação desses transtornos com álcool é muito comum e demanda tratamento especifico.

Esse diagnóstico é importante para resolver a maior parte dos problemas e melhorar o desconforto que provocam. É comum instalarem-se quadros de depressão e ansiedade a partir da terceira década de vida e existe uma relação significativa entre uso de álcool e esses transtornos psiquiátricos. Em vista disso, tratar só do alcoolismo e esquecer a depressão de nada adianta, porque ela é um mecanismo poderoso que induz as recaídas.

Por incrível que pareça, o fato de a pessoa ter as duas doenças melhora o prognóstico, se elas forem identificadas e o paciente receber tratamento efetivo para cada uma delas. Os especialistas da clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte que controlando a depressão e a ansiedade, o fator de risco que estaria perpetuando a dependência do álcool desaparece e a evolução do quadro é muito melhor.

O tratamento na clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte   é composto por diversas etapas, que podem variar de abordagem para abordagem e ter durações distintas. Vejam algumas delas a seguir:

Desintoxicação

É a fase em que se foca principalmente na redução dos danos causados pelo alcoolismo. Isto deve incluir os efeitos físicos, mentais e emocionais. Para tal, a pessoa deve passar pela abstinência — ou seja, ficar sem consumir a substância química.

Nessa etapa são utilizados métodos como medicamentos e atendimentos psicológicos constantes.

Psicoterapia e terapia ocupacional

É o momento de cuidar prioritariamente da saúde mental e do emocional. Na clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte todo indivíduo é único, esse processo deve ser específico para cada um.

A terapia ocupacional é um momento em que a pessoa tem a oportunidade de dedicar sua energia às atividades benéficas de diversas maneiras. Nesse processo, são exercitadas habilidades cognitivas e sociais, além da abordagem de questões emocionais.

É válido relembrar que, para um tratamento ser mais completo, ele deve fornecer apoio e cuidados com a saúde física, mental e emocional. O acompanhamento dos profissionais da clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte, conta com médicos e psicólogos, e deve ocorrer ao longo de toda a internação, inclusive nas recaídas.

Por fim, vale ressaltar como a internação é essencial para o tratamento da dependência do álcool, principalmente quando o caso já estiver mais complicado. Trata-se de uma questão que merece o máximo de atenção e cuidado.

A internação na clínica de recuperação para alcoólatras na zona norte é só uma parte do processo: o tratamento deve ser constante, com um acompanhamento permanente para o alcoólatra e sua família, mesmo após a saída da clínica.

Os grupos de auto-ajuda, como os Alcoólicos Anônimos, participa do tratamento na clinica de recuperação para alcoólatras na zona norte auxiliando os pacientes sendo um apoio muito importante na recuperação do individuo com alternativas eficazes no tratamento do paciente alcoolista e no acompanhamento de sua família, o que costuma ser indispensável para o bom andamento do tratamento.

Para que o tratamento do alcoolismo tenha sucesso é fundamental a participação dos familiares, dos amigos próximos pois na maioria das vezes, o alcoólatra se nega a reconhecer sua condição e, por isso, não recebe a ajuda de profissionais. É importante dizer que este é um período muito delicado e, para a maioria dos dependentes, não é fácil admitir a situação, principalmente, por sentir vergonha do que as pessoas podem pensar dele.

Mas, em casos como esse, a família pode ajudar muito! Pai, mãe, irmãos, filhos: todos podem mostrar compaixão pela situação, convencendo o dependente a procurar ajuda especializada. Nesses momentos, o melhor é conversar de forma carinhosa e respeitosa, mostrando que a batalha é de toda a família. É muito importante deixar claro que os familiares estão do lado dele, sem fazer qualquer julgamento.

Durante o tratamento, o alcoólatra pode ficar separado da família por um algum período. Faz parte do processo de recuperação. Mas, de tempos em tempos, os familiares podem visitá-lo e esses momentos funcionam como um recomeço. Encontrar com a família dá ao paciente muita energia positiva.

Ao sentir o carinho e ver a preocupação dos seus entes queridos, o paciente fica ainda mais motivado para terminar o tratamento. Apoio, muitas vezes, é tudo o que ele precisa!

O que é Dependência Emocional ou Codependência?

Codependência, Dependência Emocional ou Dependência Afetiva, é a inabilidade de manter e nutrir relacionamentos saudáveis com os outros e consigo mesmo, resultando em Relacionamentos Difíceis, Desgastados ou Destrutivos. Aqui você saberá quais são os principais sintomas, se você vive este problema e como tratar este transtorno que pode ser grave e gerar sérios prejuízos à saúde e a todas as áreas da vida.

Alguns Sintomas:

  • Cuidados excessivos com o outro- preocupação constante, necessidade compulsiva de ajudar o outro, antecipando as necessidades dele, assumindo responsabilidades por ele e deixando o próprio cuidado de lado;
  • Baixa autoestima– culpa-se por tudo, autoexigência e autocrítica exagerada, sente-se envergonhado e inferior aos outros, contenta-se com muito pouco, com “migalhas de amor”;
  • Repressão das emoções– reprime seus sentimentos e vontades, de tal modo que, com o tempo, perde o contato;
  • Controle compulsivo– necessidade de ter sempre o controle de si mesmo, das situações, do relacionamento, do outro, tentando mudá-lo;
  • Ciúme doentio– enorme insegurança, pensamentos constantes de ruminação pelo medo de ser traído ou de ser abandonado, comportamentos e discussões na tentativa de controlar os comportamentos do outro;
  • Negação– mente para si mesmo, finge que os problemas não existem ou não são graves, não enxerga e enfrenta os problemas que estão acontecendo na relação, pensa que um dia tudo vai melhorar “do nada”;
  • Vive oscilando entre o céu e o inferno- oscila entre gostar e sentir-se magoado e com raiva do outro, ou seja, ora se sente bem na relação e ora se torna vítima e age como o algoz, cobrando posturas de forma pesada e agredindo o outro;
  • Acredita que depende do outro– procura desesperadamente amor e proteção fora de si mesmo, não consegue ficar só, sente-se ameaçado pela perda do outro, sente que necessita do outro pra ser feliz;
  • Comunicação disfuncional– não expressa abertamente seus sentimentos e pensamentos, a comunicação não é honesta e franca; não consegue ter bons diálogos e discutir objetivamente os problemas; iniciativas de diálogo se tornam discussões áridas.
  • Dificuldades sexuais- usa o sexo para conquistar, segurar e ganhar a aprovação do outro; tenta manipular e controlar o outro através do sexo; fazem sexo quando não querem; com pouco ou nenhum prazer, etc.
  • Envolvimento com pessoas complicadas- escolhe parceiros indisponíveis, indecisos, de classe socioeconômica inferior, agressivos, distantes, que sugam e pouco doam, irresponsáveis, mal-caráter, que também apresentam transtornos psicológicos como dependências (de álcool, de outras drogas, de jogos, etc.). Por isto, tem decepção amorosa, sofre muito por amor, experimentando uma vida amorosa insatisfatória.

Estes sintomas e outros contribuem para Padrões de Relacionamentos Destrutivos.

Origem

O termo Codependência teve origem nos estudos com a Dependência química e foi atribuído aos familiares, partindo do princípio de que os familiares de dependentes químicos também apresentariam uma dependência, não das drogas, mas Dependência Emocional ou uma preocupação constante e fixa no dependente. Posteriormente, tornou-se claro que não é necessário conviver com um dependente químico para sofrer de Dependência emocional.

Causas da Codependência

A maior parte dos codependentes vem de famílias disfuncionais, conflitivas, que demonstraram significativa fragilidade emocional e, por isto, contribuíram para o desenvolvimento e instalação da dependência emocional entre seus membros. Em geral, o codependente viveu pouco amor, amparo, aceitação, segurança, coerência e harmonia familiar. Em muitos casos, houve rigidez de regras e críticas excessivas, abusos, violência psicológica e até física. Portanto, de modo geral, a pessoa desenvolve a Codependência a partir da infância.

Pesquisas

Os resultados de uma pesquisa recente realizada no Brasil, pela Unifesp mostram que, em média, 9 pessoas são afetadas pelo impacto de um dependente químico e estima-se que pelo menos 28 milhões de pessoas vivam hoje no Brasil com um dependente químico. A pesquisa aponta também que, além da resistência do dependente químico em aceitar o tratamento (52% dos casos), o comportamento/atitude da família (11%) é a segunda maior dificuldade encontrada no tratamento. Convivendo com sentimentos opressores como tristeza (28%), impotência (26%), dor, angústia, raiva, desespero, culpa, pena, decepção, solidão e medo. Este impacto corresponde aos vividos por familiares de doentes terminais.

Solicitamos a gentileza de, ao publicar este artigo, citar a fonte:
Autora: Dra. Elizabeth Zamerul Ally, médica psiquiatra, psicoterapeuta, especialista em Dependência Química e Codependência www.dependenciaecodependencia.com.br

clínica de recuperação para alcoólatras na zona norte

Atendimento 24hs

(11) 4175-0727

(11) 96474-1518 (Vivo/Whatsapp)