Tratamento para Dependentes Químicos

tratamento para meninos menores de idade

tratamento para meninos menores de idade

Para os especialistas que atuam no tratamento para meninos menores de idade um adolescente se envolver com drogas, envolve um grupo de fatores, como; A falta de orientação e problemas familiares, influência de amigos, por curiosidade e diversão.

        Esses jovens têm uma tendência natural a se envolver com substâncias que farão com que eles fiquem num estado transitório de ilusão, de poder, de prazer e de estar enturmado com grupos.  Na adolescência está desenvolvendo vários aspectos da personalidade, muitos estarão se sentindo inseguros, incompreendidos ou são rebeldes de natureza no tratamento para meninos menores de idade, os psicólogos, psiquiatras e terapeutas enfatizam a necessidade que os jovens têm de compartilhar de algum grupo, e quando não consegue fazer parte do mesmo, acabam por procurar o mundo das drogas, pois se sentem libertos e assim criam a falsa ilusão que podem se encaixar aonde quiser. No mundo que os drogados criam, basta se drogar pra ser alguém e pior, estará observando o mundo como pessoas caretas e que não fazem o que acham certo, consumir.  A droga infelizmente tem como componente básico o prazer. Os profissionais que atuam no tratamento para meninos menores de idade ressaltam que o grande problema, está na dificuldade para fazer que se evite a droga durante os momentos de “nó ia”, pois a pessoa fica extremamente envolvida, acha tudo uma bela loucura em especial com a maconha e a cocaína. Os profissionais especializados que atuam no tratamento para meninos menores de idade explica que o jovem se vê na encruzilhada ao entender que os caminhos são complicados de trilhar. Na preguiça própria do adolescente eles marginalizam os estudos, a luta pelo trabalho e melhor condição de vida além do afastamento ao planejamento de futuro, ter uma profissão, carreira, enfim. E aí é campo vasto para se entregar ao prazer da droga evitando assim o vazio existencial.

 Para que possamos entender todo o trajeto de um jovem que está na dependência das drogas. Os especialistas que atuam no tratamento para meninos menores de idade enfatizam que é de suma importância que se entenda que as drogas são definidas como substâncias químicas capazes de modificar a função de organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas ou de comportamento, alterando sua função biológica e possivelmente sua estrutura. Para os profissionais que atuam no tratamento para meninos menores de idade o processo de reabilitação envolve determinação, comprometimento e persistência de ambas as partes tanto do jovem quanto dos familiares, pois a família será a base no qual o jovem irá buscar forças para o seu tratamento.

Sabemos que a dependência é uma doença que envolve diversos fatores, destacando os biopsicossociais. O tratamento para meninos menores de idade enfatiza que o tratamento deve ser realizado a partir de terapias, atividades em grupo, esportes e atividades físicas apoio de psicólogos, psiquiatras, terapeutas entre outros profissionais que tenham um vasto conhecimento na área

Dentre tantas funções que um psicólogo irá realiza no tratamento para meninos menores de idade, destaca-se sua aptidão para tratar o motivo que levou o dependente a recorrer às drogas como uma saída para os problemas.

Na maioria dos casos, um problema pessoal, familiar e, até mesmo, social gera a vontade de buscar as drogas e, por isso, é necessário resolvê-la para que o dependente não tenha recaídas ou crises de abstinência.

É também função do psicólogo manter o controle mental do paciente mesmo após a desintoxicação. Quadros como ansiedade e pensamento acelerado podem surgir, prejudicando a recuperação já que podem ser gatilhos para recaídas.

Portanto, é evidente que o papel do psicólogo para a recuperação de um dependente químico é de suma importância, trazendo grandes benefícios ao paciente e à sociedade.

Nem todos os dependentes químicos que tentam se recuperar consegue se livrar de seus vícios sem auxílio do uso de remédios. No exemplo de dependentes que usam drogas depressoras do sistema nervoso central, como o álcool, cocaína ou crak. E conseqüentemente o uso dessas drogas acaba por gerar doenças tais como esquizofrenia, transtorno, bipolar e a depressão Nesses casos, é necessário o auxílio de um psiquiatra para que o tratamento para meninos menores de idade tenha o resultado esperado o  acompanhamento do paciente é de suma importância  a fim de recuperá-lo da crise, evitando recaídas. Além disso, os medicamentos podem auxiliar na melhora dos sintomas de abstinências.

A Terapia Ocupacional trabalha no tratamento para meninos menores de idade auxiliando a recuperação do dependente químico que tem dificuldades em realizar as tarefas cotidianas. Ela tem foco na construção ou na reconstrução do cotidiano, de acordo com as necessidades de cada um.

O terapeuta ocupacional analisa o paciente como um todo, utilizando tarefas prescritas para alcançar seu objetivo. Essas atividades que farão parte do tratamento são feitas de maneira criteriosa por esse profissional para adequar todas as necessidades, observando sempre as dificuldades do dependente, além de visar sua satisfação dentro de seu tratamento.

O organismo de um dependente químico, durante e após o processo de desintoxicação, fica bastante debilitado. É comum perda de peso, perda de cabelo e até mesmo alucinações graças à falta de nutrientes necessários ao corpo. Com isso, o organismo fica fraco e bastante suscetível a outras doenças.

Dessa forma, o nutricionista vem com o papel de tratar o organismo do paciente, concedendo a ele uma dieta balanceada que traga de volta a vitalidade para que ele volte a ser saudável. Assim, o indivíduo se torna mais propenso a aderir ao tratamento e não voltar à dependência.

O tratamento para meninos menores de idade ressalta a importância de o tratamento ser humanizado, respeitando cada ser como um ser único, e enfatiza a importância de seus profissionais trabalhem em conjunto para que assim alcance o objetivo maior que é a recuperação do jovem, conseguindo sua reinserção de volta a sociedade e aos seus familiares. O ambiente no qual esse tratamento será feito é de suma importância, pois deve ser um lugar aonde o jovem se sinta seguro e amparado, no qual ele possa colocar para fora seus medos e todos seus anseios, sem sentir descriminado ou julgado.  Contando com um espaço adequado e seguro o jovem se sentira mais tranqüilo para realizar o tratamento, por isso contamos com um espaço que tem quadras para lazer e pratica de esportes, piscinas, salas de leitura, salas propicia para as reuniões, quartos arejados, refeitórios devidamente limpos, espaço verde, uma equipe de segurança e uma equipe de limpeza para zelar com os cuidados do centro de tratamento para meninos menores de idade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o abuso de drogas é considerado uma epidemia social, apresentando três fatores fundamentais: o agente (a droga), o hospedeiro (o indivíduo), e o ambiente favorável (família, grupo e ambiente). Ainda para (OMS) existem dois tipos de dependência química: Dependência Psíquica, onde o indivíduo tem o sentimento de satisfação exigindo a administração contínua da droga para produzir prazer ou evitar mal-estar, e a Dependência física: estado de adaptação que se manifesta pelo aparecimento de intensos transtornos físicos quando se interrompe a administração da droga. O uso excessivo de drogas vem crescendo a cada dia, e a consequência desse crescimento, é a dependência química que é uma doença progressiva e multifatorial. Vivemos na era digital, onde temos acesso às diversas informações, mas a família continua sendo o padrão influenciador do indivíduo. Nenhuma família tem a expectativa de ter um membro como dependente químico, é mais fácil presumir que isso só aconteça com outras famílias, e é por pensar assim, que muitas famílias não conversam sobre o poder destrutivo das drogas. Todavia, a maioria das famílias ainda não vê a dependência química como uma doença, mas sim, como uma associação à criminalidade, descaso e em vários casos como falta de caráter; situação esta que acaba por adiar o tratamento, o que aumenta sua complexidade. O poder destrutivo que as drogas psicoativas possuem, vai além da degradação do dependente químico, atinge também seus familiares, tornando-os codependentes químicos, ocasionando sentimentos e sofrimentos, cujas consequências se dão no campo psicológico, emocional, físico, comportamental, cultural e espiritual. O relacionamento e a convivência intrafamiliar é o elo que ocasiona sofrimento e sentimentos destrutivos, cuja consequência é o adoecimento mental e físico, e consequentemente ocasionam uma maior fragilização dos vínculos. Codependentes são familiares, podem ser pais ou cônjuges, que vivem em função da pessoa com dificuldades emocionais, desenvolvendo uma proteção compulsiva, tornando-a motivação para suas vidas, sentindo-se culpados e responsáveis pelos dependentes e por suas vidas. É importante diferenciar os comportamentos saudáveis de amor e cuidado, existente nas relações afetivas, é esta reflexão que este trabalho científico se propõe. A ampliação desse olhar se faz necessária, para que ocorra a superação da apreensão fragmentada do dependente, na proposição de uma visão ampliada sobre o problema, que inicialmente é a droga. Compreendemos o fenômeno da dependência como a manifestação de um sintoma que reflete e esconde uma intrincada rede de relações, na qual o indivíduo se insere. Significa entender o dependente como parte integrante de um sistema – o familiar – do qual a dependência, como sintoma, é resultante das interações recíprocas entre seus membros, e, ainda, entender a família como parte de um universo ainda mais amplo, que é a sociedade.

tratamento para meninos menores de idade

Atendimento 24hs

(11) 4175-0727

(11) 96474-1518 (Vivo/Whatsapp)